Escravidão na Casa Grande dos Lençóis (1850-1880)

Slavery in Casa Grande dos Lençóis (1850-1880)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.52996/rnhb.v4i8.85

Palavras-chave:

Escravidão, Casa Grande dos Lençóis, Dom Basílio, Bahia

Resumo

Este trabalho debruça-se sobre a escravidão, na segunda metade do século XIX, na Casa Grande dos Lençóis, atual município de Dom Basílio, estado da Bahia (BA). Esta pesquisa é de grande relevância para entendermos o universo do cativo tendo como ponto de partida uma pequena área formada por propriedades familiares, localizadas no Alto Sertão da Bahia. Por meio de uma multiplicidade de documentos, foi possível conhecer características básicas destes personagens, tais como: nome, nacionalidade, idade, sexo, preço, dentre outras informações que estão discriminadas nos registros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Fontes

Atestado de Óbito de uma Anjinho – Fazenda dos Lençóis. Livro de óbito da Matriz e suas filiais: Nossa Senhora de Santana, Nossa Senhora do Rosário e do Cemitério Paroquial (1825-1874).

Batistério de Genoveva Cabra (livre). Caderno de Batistério dos anos de 1865 a 1875. Arquivo da Paróquia de Nossa Senhora do Livramento, folha 69.

Certidão de Nascimento de Manoel, filho da escrava Eva Preta. Arquivo Municipal de Dom Basílio (AMDB), matrícula 1163.

Inventário de Capitão Antônio Calisto d’Oliveira. Fazenda dos Lençóis, Villa Velha, Termo de Minas do Rio de Contas, 1887. AMRC, Seção Judiciário, Série Inventário, caixa 97, maço 191.

Inventário de Manoel Francisco da Silva. Sítio do Curralinho, Fazenda dos Lençóis, 1839-1847. Arquivo Municipal de Rio de Contas, Seção Judiciário, Série Inventário, caixa 67.

Inventário de Sérgia Maria de Jesus. Fazenda dos Lençóis, Villa Velha, Termo de Minas do Rio de Contas, 1859. AMRC, Seção Judiciário, Série Inventário, caixa 85, maço 166.

Livro de Óbito da Matriz e suas filiais: Nossa Senhora de Santana, Nossa Senhora do Rosário e do Cemitério Paroquial. Sepultados (1825-1874). Arquivo da Paróquia do Santíssimo Sacramento de Rio de Contas (APSSRC).

Livro de Registro de Terras (1870-1930). Transcripção de Immoveis. AMCR, documento n. 328.

Bibliografias

ALMEIDA, Kátia Lorena Novais. Alforrias em Rio de Contas – Bahia – Século XIX. Salvador: EDUFBA, 2012.

ALMEIDA, Kátia Lorena Novais. Populações e posse de escravos em Rio de Contas do século XIX. In: NEVES, Erivaldo Fagundes (org.). Sertões da Bahia: formação social, desenvolvimento econômico, evolução política e desenvolvimento cultural. Salvador: Editora Arcádia, 2011.

CAIRES, Róbson Bonfim de; CAIRES, Rodrigo Bonfim A Casa Grande dos Lençóis: relações familiares entre o Capitão Calisto e o Major do Maranhão – Dom Basílio no século XIX. Salvador: Editora EGBA, 2018.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar um projeto de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas S/A., 2002.

NEVES, Erivaldo Fagundes. História Regional e Local: fragmentação e recomposição da História na crise da Modernidade. Salvador: Arcádia, 2002.

NEVES, Erivaldo Fagundes. Uma comunidade sertaneja: da sesmaria ao minifúndio (um estudo de história regional e local). 2. ed. rev. ampl. Salvador; Feira de Santana: EDUFBA; UEFS, 2008.

PIRES, Maria de Fátima Novais. Fios da Vida: tráfico interprovincial e alforrias nos Sertoins de Sima – BA (1860-1920). São Paulo: Annablume, 2009.

PIRES, Maria de Fátima Novais. O crime na cor: escravos e forros no Alto Sertão da Bahia (1830-1888). São Paulo: Annablume; FAPESP, 2003.

SCHWARTZ, Stuart B. Segredos internos: engenhos e escravos na sociedade colonial, 1550-1835. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

Monografias

ROCHA, Fernanda Gomes. Laços de família: Escravos e libertos em Minas do Rio de Contas – Bahia (1840 – 1888). 2016. 191 f. Dissertação (Mestrado em História Social) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2016. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/bitstream/ri/23343/1/Disserta%c3%a7%c3%a3o%20-%20Fernanda%20Gomes%20Rocha.pdf. Acesso em: 1 jul. 2022.

REIS, Isabel Cristina Ferreira dos. A família negra no tempo da escravidão: Bahia, 1850-1888. 2007. 305 f. Tese (Doutorado em História) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2007.

Periódicos

NASCIMENTO, Washington Santos. Doenças, práticas de cura e curandeiros negros no sudoeste baiano (1869-1888). Cadernos de História, São Paulo, v. 15, n. 23, p. 44-62, 2014. Disponível em: https://doi.org/10.5752/P.2237-8871.2014v15n23p44. Acesso em: 31 jul. 2021.

NEVES, Erivaldo Fagundes. Sampauleiros traficantes: comércio de escravos do Alto Sertão da Bahia para o Oeste Cafeeiro Paulista. Afro-Ásia, Salvador, n. 24, p. 97-128, 2000. Disponível em: http://dx.doi.org.10.9771/aa.v0i24.20997. Acesso em: 31 jul. 2021.

PALERMO, Luis Claudio. Disputas no campo da historiografia da escravidão brasileira: perspectivas clássicas e debates atuais. Dimensões – Revista de História da Ufes, Espírito Santo, v. 39, p. 324-347, jul./dez. 2017. Disponível em: https://doi.org/10.23871/dimensoes-n39-18638. Acesso em: 31 jul. 2021.

PETIZ, Silmei de Sant’Ana. Contribuições metodológicas para estimativas da mortalidade de escravos da Freguesia de Nossa Senhora do Rosário do Rio Pardo do Rio Grande do Sul colonial. In: ENCONTRO REGIONAL DE HISTÓRIA: USOS DO PASSADO, 7., 2006, Rio de Janeiro. Anais eletrônicos [...]. Rio de Janeiro: ANPUH, 2006. Disponível em: http://www.eeh2012.anpuh-rs.org.br/resources/rj/Anais/2006/conferencias/Silmei%20de%20SantAna%20Petiz.pdf. Acesso em: 31 jul. 2021.

Downloads

Publicado

2022-07-08

Como Citar

Caires, R. B. de, & Costa, C. A. S. (2022). Escravidão na Casa Grande dos Lençóis (1850-1880): Slavery in Casa Grande dos Lençóis (1850-1880). Revista Nordestina De História Do Brasil, 4(8), 1-23. https://doi.org/10.52996/rnhb.v4i8.85